Novo: Experimente o meu bot de IA novo filme

ARQUIVO

Mês: março 2016

Por dentro da Revolução da Inteligência Artificial: Um relatório especial, Parte 1

"A inteligência artificial pode muito bem ajudar a resolver os problemas mais complexos que a humanidade enfrenta, como a cura do cancro e as alterações climáticas - mas, a curto prazo, também é provável que dê poder à vigilância, corroa a privacidade e turbine os operadores de telemarketing."

Por dentro da Revolução da Inteligência Artificial: Um relatório especial, Parte 1
https://www.rollingstone.com/culture/features/inside-the-artificial-intelligence-revolution-a-special-report-pt-1-20160229
via Instapaper

Ler mais

Após 20 anos, é mais difícil ignorar o lado negro da economia digital - Don Tapscott acerta em cheio

"Os factos estão a provar que os utópicos tecnológicos estão errados: a tecnologia não cria prosperidade, boa democracia e justiça - são os humanos que o fazem. Para garantir que a economia digital cumpra a sua promessa, precisamos de um novo contrato social que garanta oportunidades de pleno emprego, proteja a nossa privacidade e permita a prosperidade não só para alguns, mas para todos."

Após 20 anos, é mais difícil ignorar o lado negro da economia digital
https://hbr.org/2016/03/after-20-years-its-harder-to-ignore-the-digital-economys-dark-side
via Instapaper

Ler mais

Tudo o que sabes sobre a inteligência artificial está errado (boa leitura do gizmodo)

"Gary Marcus, psicólogo investigador da NYU, afirmou que "praticamente toda a gente" que trabalha em IA acredita que as máquinas acabarão por nos ultrapassar: "A única diferença real entre entusiastas e cépticos é o prazo". Futuristas como Ray Kurzweil pensam que isso poderá acontecer dentro de algumas décadas, enquanto outros dizem que poderá demorar séculos."

Tudo o que sabe sobre a Inteligência Artificial está errado
https://gizmodo.com/everything-you-know-about-artificial-intelligence-is-wr-1764020220
via Instapaper

Ler mais

O ponto de vista do The Guardian sobre os robots e a humanidade: "passing Go

"Há inúmeras coisas que só um ser humano pode fazer e que nenhum computador parece estar perto de conseguir. O problema é que as coisas puramente humanas não são economicamente úteis para ninguém. As coisas que os computadores podem ser ensinados a fazer são, pelo contrário"

O ponto de vista do The Guardian sobre os robots e a humanidade: passing Go | Editorial
https://www.theguardian.com/commentisfree/2016/mar/09/the-guardian-view-on-robots-and-humanity-passing-go
via Instapaper

Ler mais

O Google como adivinho: Os segredos do capitalismo de vigilância

Absolutamente um ponto-chave !!!

"Quando eliminamos a incerteza, perdemos o reabastecimento humano que está associado ao desafio de afirmar a previsibilidade face a um futuro sempre desconhecido, em favor do vazio da conformidade perpétua com o plano de outra pessoa."

O Google como adivinho: Os segredos do capitalismo de vigilância
https://www.faz.net/aktuell/feuilleton/debatten/the-digital-debate/shoshana-zuboff-secrets-of-surveillance-capitalism-14103616.html
via Instapaper

Ler mais

Apple vs. FBI: A ponta do icebergue: as leis não conseguem acompanhar a tecnologia

"Este é um prelúdio do que está para vir, não só com as tecnologias de encriptação, mas com tudo, desde a inteligência artificial aos drones, à robótica e à biologia sintética. A tecnologia está a avançar mais rapidamente do que a nossa capacidade de a compreender e não há consenso sobre o que é ético. Não são apenas os legisladores que não estão bem informados, os próprios criadores das tecnologias não compreendem todas as ramificações do que estão a criar. Atualmente, podem tomar posições fortes com base nas suas emoções e interesses financeiros, mas à medida que forem aprendendo mais, também eles mudarão de opinião".

Apple vs. FBI: A ponta do icebergue: as leis não conseguem acompanhar a tecnologia
https://wadhwa.com/2016/03/05/apple-vs-fbi-the-tip-of-the-iceberg-as-laws-cant-keep-up-with-tech/
via Instapaper

Ler mais

Esqueça a luta da Apple com o FBI - a catástrofe da nossa privacidade ainda agora começou (Cory Doctorow)

Cory Doctorow acerta em cheio - não podia estar mais de acordo!

Pintar o lado pró-privacidade como lunáticos desfasados, retrógrados com chapéus de alumínio na era pós-privacidade foi uma tática barata e eficaz. Transformou o argumento pró-vigilância num argumento *progresso*: "A sociedade avançou. Os nossos dados podem fazer mais bem em pilhas grandes e agregadas do que em fragmentos atomizados no seu dispositivo e no meu. Os dados privados que esgotamos quando nos movemos no mundo digital são um recurso precioso, não poluição".

É um argumento poderoso. Quando as empresas que prometem rentabilizar a sua vigilância batem as empresas que prometem proteger a sua privacidade, quando as pessoas nem sequer se dão ao trabalho de assinalar a caixa para bloquear os cookies de rastreio, quanto mais instalar a encriptação total do disco e o GPG para proteger o seu correio eletrónico, o campo pró-vigilância pode sempre argumentar que está a fazer algo que ninguém se importa muito."

Tal como as alterações climáticas, as catástrofes da privacidade das próximas duas décadas são já inevitáveis. O problema que enfrentamos é impedir que as muito pior catástrofes das décadas seguintes. 

E à medida que os computadores são integrados nos edifícios, nos veículos e nas cidades que habitamos, à medida que penetram nos nossos corpos, os potenciais danos causados por violações serão cada vez maiores"


Esqueça a luta da Apple com o FBI - a catástrofe da nossa privacidade ainda agora começou
https://www.theguardian.com/technology/2016/mar/04/privacy-apple-fbi-encryption-surveillance
via Instapaper


Ler mais

E se não precisarmos de publicidade? Via Medium

"No passado, aguentámos ser incomodados e insultados pela publicidade. E agora estamos a suportar que nos espiem e nos adivinhem, pessoalmente, também. Mas já não temos de suportar nada disso. Isso é outra coisa que a vida digital torna possível, mesmo que ainda não tenhamos tomado as medidas necessárias. Os limites da invenção estão muito mais longe no Gigante Zero do que alguma vez estiveram no velho mundo analógico onde nasceram os media actuais - incluindo os digitais que seguem modelos analógicos".

E se não precisarmos de publicidade? - Médio
https://medium.com/@dsearls/what-if-we-don-t-need-advertising-at-all-cf8ae123f2d3#.q1bf3ptyn
via Instapaper

Ler mais

boletim informativo

* indica a necessidade
último livro