Novo: Experimente o meu bot de IA novo filme

Podcast áudio com transcrição completa: uma conversa com os futuristas Frank Diana e Gerd Leonhard - reimaginar o futuro

Frank Diana trabalha na TCS (Tata Consultancy Services) e ele faz um ótimo trabalho explicando a transformação digital para os seus clientes e para o mundo em geral. Tenho estado a ler as suas mensagens e estudando bastante as suas ilustrações (ver abaixo uma coleção) nos últimos anos; e algumas delas acabaram por ser utilizadas nas minhas próprias apresentações. Pensadores que pensam da mesma maneira, acho eu:) Finalmente, decidimos ligar-nos para um rápido podcast sobre  "reimaginar o futuro" e como podemos ajudar os nossos clientes a transformar melhor as suas empresas. Tivemos uma conversa animada, que não será de certeza a última vez.

Pode ouvir o podcast completo abaixo. Frank também tem alguns posts sobre A Agência Futures blog. Ler os meus outros artigos sobre o trabalho do Frank aqui. Ouçam-me a mim e ao Frank durante uma podcast recente da Rádio SAP.

ACTUALIZAÇÃO 13 de janeiro: A Rose e o Kevin da TCS acabaram de fazer uma transcrição da nossa conversa - obrigado!

E aqui está o PDF: Gerd Leonhard Frank Diana Transcrição do podcast  (excerto abaixo)

Podcast "Reimaginar o futuro" Debate entre Gerd Leonhard e Frank Diana 9 de janeiro de 2017
GERD LEONHARD: Olá, daqui fala Gerd Leonhard, Futurista em Zurique, Suíça. Hoje, estou a conversar com Frank Diana, que trabalha para a Tata Consultancy Services, TCS, e que falará sobre isso daqui a pouco. O Frank e eu trocamos e-mails e mensagens há anos e tornámo-nos fãs do trabalho um do outro. Há muita sincronia entre o que fazemos, por isso pensámos em ter uma pequena conversa em podcast hoje, principalmente sobre o tema Reimaginar o Futuro, porque o Frank também é um pouco futurista. Então, aqui está o Frank. Diga-nos brevemente o que faz e como o faz.

Bom dia, Gerd. Como disse, Frank Diana. Trabalho na Tata Consultancy Services e sou uma espécie de futurista e consultor. Passo a maior parte do meu tempo concentrado nos próximos três a cinco anos e mais além e no que isso pode significar para os líderes de todo o mundo - não apenas para as empresas, mas também para o governo, o impacto na sociedade e o que isso pode significar para uma empresa. Na verdade, o meu título é Diretor, Future of Business, aqui na TCS.

GERD LEONHARD: Bem, isso é muito interessante porque o Futuro dos Negócios é um tema de que temos vindo a falar há anos. Vamos falar um pouco sobre ele, porque eu faço a mesma coisa de forma semelhante. Faço sobretudo discursos e sessões. As pessoas que ouvem este podcast sabem o que eu faço, por isso falarei mais sobre isso mais tarde. Sou um especialista em falar de mim próprio. Mas vamos diretamente ao tema do Futuro dos Negócios. Na verdade, falamos bastante sobre temas semelhantes e um deles é a ideia de que o futuro é exponencialmente diferente. Isto parece um meme de Silicon Valley, mas é utilizado de forma bastante diferente no nosso mundo. O que pensa sobre isto - o facto de o futuro ser exponencialmente diferente. O que pensa disso e qual é o seu tema principal?

FRANK DIANA: Bem, como já falámos anteriormente, penso que existem duas palavras - exponencial e combinatória, na medida em que o futuro é muito mais rápido do que alguma vez foi no passado. Uma das razões subjacentes ou fundamentais para isso, creio, é o facto de já existirem tantos blocos de construção. Estes podem ser combinados de forma a criar valor muito rapidamente. Por isso, estamos a começar a ver a inovação a explodir, em resultado das combinações que as pessoas inteligentes estão a utilizar para criar valor de muitas formas diferentes. Acredito que estamos a debater-nos com estruturas lineares e pensamento linear num mundo que é muito mais exponencial.

GERD LEONHARD: Bem, sabes que adoro o aspeto combinatório da forma como estás a descrever isto. E, já agora, para os ouvintes, se forem a frankdiana.net, podem ver os gráficos do Frank sobre isto e têm mesmo de os descarregar. Penso que é muito importante perceber que o futuro não é apenas exponencialmente diferente. Estamos agora a assistir a uma descoberta científica atrás da outra, mas elas também se estão a combinar, o que é o efeito combinatório, para tornar o mundo completamente diferente. Estão a amplificar-se mutuamente. Por vezes, também chamo a isto interdependência. Por exemplo, cidades inteligentes significam portos inteligentes, transportes inteligentes, logística, mudança de veículos, mudança de estilo de vida, o que altera o trabalho. Portanto, todos eles se amplificam mutuamente. Utilizo muitas destas ideias no meu novo livro, "Tecnologia versus Humanidade". Utilizo-o como argumento principal para dizer que já não podemos esperar que o futuro seja observável de alguma forma, como se fosse linear, porque agora, de dezoito em dezoito meses, temos grandes avanços que estão literalmente a mudar o mundo. Uma delas, no CES deste ano, foi o reconhecimento de que, no futuro, vamos ter assistentes digitais inteligentes, em vez de sites e aplicações que fazem o trabalho por nós e replicam a forma como pensamos na nuvem, por assim dizer. Chamo a isto o Cérebro Global e Frank falou várias vezes sobre a forma como as interfaces estão a mudar e como a tecnologia se está a tornar inteligente.

Sim. Bem, em primeiro lugar, uma breve introdução ao seu livro. É um livro fenomenal - "Technology Versus Humanity" e espero que falemos um pouco de ética à medida que avançamos. Sim, concentrei-me muito na experiência do cliente. Tem sido um tema importante desde há vários anos e sempre me concentrei na próxima geração de experiências. A interação, e a forma como interagimos uns com os outros, mudou e continuará a mudar. Se considerarmos os sistemas de conversação ou os sistemas inteligentes, como os descreve, ou o mundo da realidade aumentada e virtual para o qual estamos a caminhar, a forma como interagimos uns com os outros na sociedade vai mudar e já mudou consideravelmente. O que é que isso significa para nós daqui para a frente? Os efeitos são maioritariamente positivos ou existem algumas consequências indesejadas?

GERD LEONHARD: Sim, é uma questão interessante. A minha opinião é que a tecnologia é inevitável e que estas mudanças estão a chegar, independentemente de apreciarmos ou não algumas delas. O importante será uma espécie de controlo ou de equilíbrio da tecnologia - o lado bom e o lado mau, se uma tecnologia tiver lados maus. Por exemplo, a televisão teve um efeito negativo nas comunicações e na criação da nossa própria música em casa. Mas, mesmo assim, agora temos televisão e, portanto, estas tecnologias, como a inteligência artificial, estão destinadas a acontecer e já estão a acontecer. A questão que se coloca é: como é que as transformamos na parte mais próspera para a humanidade, em vez da parte assustadora que tem sido retratada nos filmes de Hollywood? Qual é a sua opinião sobre esse tipo de fator de controlo? Como é que vamos ter a certeza de que a tecnologia vai ser utilizada para o bem ou não....

10625

Vistas


Etiquetas

boletim informativo

* indica a necessidade
último livro