Novo: Experimente o meu bot de IA novo filme

O Facebook já não é nada "social" - é uma plataforma de IA que precisa de ser regulamentada (atualizado)

A edição do ano passado relatórios que algumas entidades russas aparentemente bem financiadas utilizaram o Facebook para disseminar sistematicamente notícias falsas e semear a discórdia generalizada durante as eleições de 2016 nos EUA não é apenas preocupante devido aos danos que estão a ser causados ao processo democrático, ao impacto na credibilidade dos meios de comunicação social e à confiança geral na Internet como meio de comunicação. Mostra também como o Facebook - intencional ou inadvertidamente, mas lucrativamente, de qualquer forma - construiu uma gigantesca máquina de manipulação que é gerida por algoritmos (ou atrevemo-nos a dizerinteligência artificial'), não por pessoas e, fundamentalmente, não para pessoas.

O Facebook - uma empresa atualmente avaliada em meio bilião de dólares - surgiu agora como a primeira plataforma de media gerida por IA do mundo; como 'asocial media'. O seu objetivo já não são os seus utilizadores, ou seja, "ser humano", mas sim o objetivo do FB em si. A ferramenta tornou-se verdadeiramente o objetivo (ler McLuhan!), e nós, os utilizadores, apenas existimos para o alimentar - um alimento conveniente para os algoritmos de aprendizagem profunda cuja única "missão" é fazer com que fiquemos no site ou utilizemos a aplicação o máximo de tempo possível, ou que nos tornemos viciados na armadilha do prazer que o Facebook aperfeiçoou de forma tão inteligente. Ver este vídeo para obter algumas citações bastante surpreendentes das pessoas que estiveram efetivamente envolvidas na sua construção.

O Facebook está a tentar-nos magistralmente a construir "relações mediadas" com ecrãs, dispositivos, a nuvem e, em breve, através da realidade aumentada e virtual, em vez de com pessoas reais que estão mesmo à frente dos nossos narizes. O Facebook substituiu engenhosamente a verdadeira amizade humana por uma simulação quase de espelho negro (uma espécie de "realidade demente", na minha opinião) que se alimenta da necessidade humana de afirmação positiva (e de dopamina). E agora, o Facebook diz que quer "resolver este problema" ao reformulação do funcionamento do seu feed de notícias! Obrigado, Mark, mas talvez isto seja demasiado tarde; e para além dos editores dos meios de comunicação social que estão seriamente chateados com isto, o mercado de acções também vai questionar o futuro do FB. E não, não vai resolver dependência das redes sociaistambém não.

Eu defendo que o Facebook se tornou exatamente o oposto de social, uma vez que não há absolutamente nada de social num metacérebro algorítmico cuja única preocupação é entrar nas nossas cabeças e manipular o nosso pensamento para que ele e os seus anunciantes nos possam vender mais coisas. Na minha opinião, é bastante claro que o Grão-Mestre Zuck tem um palpite semelhante - basta ler os seus últimos manifestos para compreender a sua confissão pouco velada: "Criei um monstro (uma espécie de bomba-relógio sociocultural, ver o meu gif abaixo) e gostava de saber como resolvê-lo sem reduzir a nossa valorização para metade"

O paradoxo em que o Facebook se transformou já está a provocar o pico da solidão entre os seus utilizadores poderosos, está a causar desinformação generalizada devido à distorção das notícias feita por máquinas, é o criador #1 de bolhas de filtragem, comeu o almoço de jornais, editores e empresas de comunicação social sem dar muito em troca - e o seu crescimento de receitas é espantoso.

Já disse isto há quase uma década: "os dados são o novo petróleo" - e talvez agora seja uma boa altura para acrescentar o meme presciente de Andrew Ng de que "a IA é a nova eletricidade". Temos de perceber que o Facebook é essencialmente uma empresa de petróleo de dados, com um poder cada vez mais excessivo e desprovido de quaisquer considerações sobre as externalidades que cria - e, por conseguinte, deve ser regulamentado tal como regulamentámos o petróleo de grandes dimensões (e sim, isto vai para além do Facebook, claro).

Independentemente das boas intenções de Zuck (que considero credíveis), não creio que o Facebook se desvie significativamente do seu atual caminho de monetização implacável das relações humanas e de alteração fundamental das nossas sociedades sem regulamentação e supervisão. Afinal de contas, é assim que eles ganham (ou, digamos, efectuadas) Biliões!

"Ética é a diferença entre fazer o que se tem o direito (ou o poder) de fazer e o que é a coisa certa a fazer"  (riffing de Potter Steward)

Zuck pode, de facto, ter uma ética sólida (ou pode estar apenas a tentar redescobri-los) mas o monstro que ele criou é agora uma MÁQUINA no verdadeiro sentido da palavra. Uma máquina que nos inala a nós e aos nossos dados, que digere triliões de fluxos por dia, que faz cópias digitais de nós próprios e que nos vende àqueles que querem manipular o nosso pensamento (acho que esta é a definição mais honesta de "publicidade digital"?).

É extremamente improvável que o Facebook "faça a coisa certa" voluntariamente: ser responsável pelo que é, pelo que faz e pelo que torna possível, como a maior plataforma do mundo para o que costumávamos chamar de "notícias" e para conexões sociais. Não colocará voluntariamente o "humano dentro de si", nem se preocupará profundamente ou contribuirá para o florescimento da nossa humanidade colectiva, simplesmente porque isso colocaria areia na caixa de velocidades da sua gigantesca máquina de fazer dinheiro. Infelizmente, foi pervertido para explorar a amizade para não a proteger.

Para mim, pessoalmente, é ainda mais desconcertante e um pouco embaraçoso constatar que, apesar desta constatação (sobre a qual já escrevi em 2016, aqui) é literalmente impossível para mim e para muitos utilizadores e pequenas empresas como eu abandonar completamente o Facebook - no meu caso, cerca de 70% do tráfego dos meus vários sites provém do Facebook. Dito isto, estou a preparar-me para cortar todos os laços com o FB, de qualquer forma - tenho-me perguntado se a publicidade no Facebook é, de facto, moralmente indefensável e, por isso, deixei de a fazer.

A única conclusão possível é a seguinte: temos de "encorajar", ou seja, exigir que o Facebook se torne responsável por aquilo que é e por aquilo que permite. Temos de exigir que esteja à altura de ser uma empresa de media, pelo menos com a mesma exigência a que estão sujeitas as outras empresas de media. Talvez isto signifique que temos de exortar o Facebook a tornar-se novamente HUMANO, a preocupar-se com a construção e não apenas com a perturbação.

Se não começarmos com essas plataformas globais como o Facebook, não são apenas as nossas democracias que estão em perigo, é também a nossa humanidade. Volta a pôr o ser humano lá dentro, Mark!

Veja o meu novo livro Tecnologia vs Humanidade - aborda muitas questões relacionadas com esta publicação.

Relacionado (atualizado em janeiro) 17 2018)

Roger McNamee Fui mentor de Zuckerberg

TheVerge: A nova ambição inicial do Facebook é diminuir

Placa-mãe: O Facebook está a retirar prioridade ao nosso feed de notícias - ótimo!

Mark Zuckerberg perde $3,3 mil milhões de euros da sua fortuna pessoal após as alterações ao feed de notícias do Facebook Mudança

Os media são danos colaterais - respondem os editores

O Facebook não pode ser corrigido - por John Batelle "O problema fundamental do Facebook não é a interferência estrangeira, os bots de spam, os trolls ou os traficantes de fama. É o modelo de negócio principal da empresa, e abandoná-lo não é uma opção"

O Grande Despertar: Como o nosso pensamento sobre a tecnologia mudou fundamentalmente em 2017 e para onde vamos a partir daqui.
por Arianna Huffington  LEITURA OBRIGATÓRIA

E aqui estão alguns gifs e imagens relacionados (todos fornecidos sob licença creative commons)

 

Imagem acima via O Atlântico

Ver a minha lista de reprodução Ética e Humanidade no Youtube

 

12835

Vistas


Etiquetas

boletim informativo

* indica a necessidade
último livro