Novo: Experimente o meu bot de IA novo filme

Chegou o momento de nos tornarmos exponencialmente humanos?

Por Gerd Leonhard, pensador do futuro e humanista, Zurique, Suíça, 7 de novembro de 2016

É altura de nos tornarmos exponencialmente humanos?

As máquinas podem imitar cada vez mais o cérebro humano e, em breve, poderão mesmo ultrapassá-lo em certos aspectos, tais como cálculos por segundo ou capacidade de armazenamento. No entanto, acredito que, num futuro previsível, nenhum aparelho mecânico, algoritmo ou robot poderá ter um pensamento original, ou criar uma obra de arte significativa, ou inventar um novo domínio da ciência, ou demonstrar empatia e compaixão autênticas. Sim, as máquinas serão cada vez mais boas em coisas espectaculares simulações mas (esperemos) nunca a sério existência - mas talvez a atração por simulações mágicas e ultra-convenientes seja precisamente a razão pela qual nos podemos viciar nelas?

No entanto, é o sentido do ser, da existência, da Dasein (como dizem muitos filósofos alemães) que não existe nas máquinas, nos computadores e nos algoritmos, por mais rápidos e potentes que sejam.

Redistribuir o potencial humano, promover o florescimento humano!

Eis a minha conclusão: à medida que as máquinas inteligentes eliminam cada vez mais as rotinas das nossas vidas - e em breve automatizarão e virtualizarão também muitas tarefas mais complexas - a humanidade do século XXI é chamada a redescobrir e a expressar todo o seu potencial. Isto incluirá a ligação mente-corpo que se tem vindo a perder desde a Revolução Industrial, juntamente com abordagens mais holísticas em direção a um futuro que irá efetivamente apoiar humano florescimento (ver o meu capítulo sobre felicidade e eudaemonia no meu novo livro 'Tecnologia vs. Humanidade'). A Grécia Antiga e a Itália do Renascimento podem fornecer algumas pistas para uma humanidade educada que persegue as artes em sincronia com a excelência comercial e técnica.

A educação tradicional está a tornar-se obsoleta

A grande ironia é que o ensino oficial na maioria dos países - com uma forte incidência nas disciplinas STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) e um desprezo infelizmente demasiado comum pelas artes liberais - está de facto obsoleto. As artes liberais, assim chamadas porque outrora pertenceram aos livres, tornar-se-ão a plataforma para pensamento exponencial no século XXI - também a nível organizacional, onde a criatividade individual já ultrapassou os processos empresariais tradicionais e a obsessão pelo ROI como principal garante da sobrevivência e do sucesso.

Até há poucos anos, a humanidade e a criatividade num mundo de produtos (e serviços) de base eram, de facto, um risco. Mas num mundo de sincronia global com variedade infinita e inevitável abundância (veja-se a música, os filmes, as viagens e, muito em breve, a banca e a energia), a criatividade torna-se uma necessidade. Como as artes definharam e começaram a imitar a ciência, a ironia do nosso novo século é que as organizações precisam de aprender a pensar e a agir como artistas para sobreviverem.

Para um artista, o caos é natural. Steve Jobs, o empresário mais icónico da nova era, era essencialmente um artista disfarçado de diretor executivo. À medida que a Apple ultrapassou as fronteiras da computação para se tornar um ecossistema universal, os seres humanos são agora chamados a deixar para trás o seu ensino passivo, rotineiro e guiado pelo exemplo e pelas melhores práticas. A liderança organizacional, por sua vez, evoluirá para a arte de aprender através da investigação - um novo Renascimento da descoberta.

Precisamos de nos tornar cada vez mais humanos ("exponencialmente") para contrabalançar o progresso tecnológico exponencial.

Imagem abaixo via

why_twitter_must_be_saved_-_stratechery_by_ben_thompson

Alguns vídeos relacionados com as minhas recentes intervenções

 

18700

Vistas


Etiquetas

boletim informativo

* indica a necessidade
último livro