Novo: Experimente o meu bot de IA novo filme

E se a Internet não for mesmo social? E se for o oposto? (pergunta Jason Gots)

Os melhores snippets:

"A agência de marketing Digital Clarity realizou um inquérito a 1300 pessoas em 2014 que examinou os sintomas da dependência da Internet em jovens adultos. Verificou-se que quase 16% dos jovens entre os 18 e os 25 anos admitiram passar mais de 15 horas por dia em linha. Para retratar o domínio que os dispositivos móveis exercem sobre nós, o fotógrafo Eric Pickersgill lançou uma série de fotografias em outubro de 2015, nas quais retirou todos os dispositivos electrónicos. Denominada Removido, Pickersgill diz que a inspiração para o projeto surgiu de uma observação que fez numa manhã num café: "A família sentada ao meu lado no café Illium em Troy, Nova Iorque, está tão desligada uma da outra. Não se falam muito. O pai e as duas filhas têm os seus próprios telemóveis. A mãe não tem telemóvel ou prefere deixá-lo guardado. Fica a olhar pela janela, triste e sozinha na companhia da sua família mais próxima. O pai levanta-se de vez em quando para anunciar uma informação obscura que encontrou na Internet. Por duas vezes, fala de um peixe grande que foi apanhado. Ninguém responde. Entristece-me a utilização da tecnologia para interagir em troca de não interagir. Isto nunca aconteceu antes e duvido que tenhamos arranhado a superfície do impacto social desta nova experiência. A mãe já tem o telemóvel na mão".

Marc Potenza, um psiquiatra de Yale que estuda principalmente a dependência do álcool e das drogas, diz que "algumas pessoas têm defendido que a Internet é um veículo e não um alvo da perturbação". Ou seja, se passa o seu tempo a jogar ou a fazer compras online, talvez não seja um viciado na Internet, mas sim um viciado em jogos ou em compras. No exemplo dos jogos de vídeo acima citado, talvez Van Cleave seja viciado no jogo e não no meio através do qual o joga...

3128

Vistas


Etiquetas

boletim informativo

* indica a necessidade
último livro