Novo: Experimente o meu bot de IA novo filme

Tecnologia, Humanidade, IA... e o futuro da política (ensaio de Tim Renner e Gerd Leonhard, traduzido do alemão)

Ler o versão original em Die Welt (paywall), ou através do novíssimo Sítio Renner/Leonhard

Agradecimentos a Tim Cole por ter ajudado nesta tradução.

Levantai-vos, malditos da Terra!

O amanhã está a chegar, e chegará mais depressa do que muitos de nós pensamos. É certo que ainda não vemos muitos robôs a passar por nós nas ruas, mas mesmo esses pequenos aparelhos que agora trazemos connosco são muito mais inteligentes do que aqueles humanóides de aspeto engraçado que costumávamos ver nas séries infantis de ficção científica Os Jetsons. E esperem só até as máquinas começarem a ensinar-se a si próprias (também conhecidas como "aprendizagem automática") - é nessa altura que as coisas vão realmente mexer. Neste momento, estamos no ponto de partida para o desenvolvimento exponencial da tecnologia. Lembra-se de como funciona o exponencial? Primeiro vem o 4, depois o 8, o 16, o 32 e assim por diante. Aquele suave "vento da mudança" de que tanto ouvimos falar nos anos 90 tornar-se-á em breve num verdadeiro turbilhão.

Não é que nós também não sintamos necessidade de velocidade, mas se toda a gente só se preocupa em andar o mais depressa possível, quem é que vai parar para pensar para onde é que estamos a ir? Quem é que Controlo da Missão para a Humanidade quando precisarmos? Quem está autorizado a tomar estas decisões em nosso nome? Atualmente, parece que (alguns) cientistas, alguns capitalistas de risco e grandes empresas tecnológicas estão no comando, embora sem qualquer supervisão adequada. O Facebook, o Linkedin, o Twitter e o Baidu determinam com quem comunicamos e sobre o quê. O Tinder e o Parship decidem quem conhecemos e por quem nos apaixonamos. A Apple, o Google e os seus semelhantes dizem-nos o que é suposto ser interessante. A Tesla, a Uber e a Waymo estão por detrás dos nossos volantes. A IBM está a trabalhar em computadores quânticos, em comparação com os quais o cérebro humano parece do tamanho de uma ervilha. O Google Projeto Magenta poderá um dia conduzir à Criatividade Artificial. E tudo isto é só para começar!

Mas sejamos claros: a tecnologia em si não é boa nem má; é moralmente neutra, apenas uma ferramenta. O escritor de tecnologia Kevin Kelly disse uma vez que "Os computadores são para as respostas; os humanos são para as perguntas".

Ou, dito de outra forma: A tecnologia não tem ética - é simplesmente a nossa responsabilidade. Mas será que devemos deixar essa tarefa para a ciência e para as empresas? Definitivamente, não! Os cientistas são movidos pela curiosidade, que é o que os torna capazes de alargar os limites do possível. E as empresas anseiam pelo progresso, porque isso conduz à máxima produtividade e ao lucro. Não os podemos censurar: Pensar no futuro em termos de benefício humano não faz parte das suas funções.

Muitas pessoas não compreendem isto, ou então não se importam com quem molda o seu futuro político e social. De que outra forma se pode explicar a súbita ascensão e queda do Partido Pirata na Alemanha, em 2011/12: este movimento não tinha nada para oferecer, exceto uma espécie de democracia líquida envolvendo ideias de rendimento básico incondicional, forte proteção de dados/privacidade, uma revolta contra leis antiquadas de direitos de autor e muito caos interno - e foi tudo.

Mas, pelo menos, deram a impressão de que o seu objetivo era dar à política e à sociedade uma palavra a dizer sobre o seu próprio futuro. Durante algum tempo, alimentaram a esperança de que os pensadores laterais, os questionadores, os perturbadores, os artistas e os filósofos pudessem assumir o leme. A expetativa era que os políticos redescobrissem coisas como o sentido e o significado, a ética e a estética. Mas, afinal, os Piratas não foram capazes de cumprir o prometido e afundaram-se como uma pedra. Só restam os seus sonhos.

Então, o que é que se há-de fazer? Porque não começar por acordar? Precisamos de políticos progressistas que estejam dispostos a erguer-se e a ENVOLVER-SE. A social-democracia (Sozial-Demokratie) costumava defender políticas que colocavam as últimas tecnologias ao serviço do progresso social. Foi por essa razão que Lasalle e Bebel fundaram o SPD (Partido Social-Democrata Alemão). O SPD foi criado há 155 anos. Hoje, as secções locais e regionais do SPD estão a debater a necessidade de encerrar a página do partido no Facebook porque, como dizem, o Facebook é "mau" (e Gerd concorda com isso, leia mais aqui). Mas o SPD alemão não é um exemplo isolado. O desaparecimento coletivo da social-democracia na Europa é o resultado da falta de respostas dos partidos às mudanças tecnológicas. Infelizmente, não há outros progressistas à vista a quem possamos recorrer para preencher a lacuna.

Esta recusa em fazer o trabalho e a falta de perspetiva geral por parte dos antigos progressistas é um perigo claro e presente para as nossas democracias liberais. Nós realmente precisa de se preocupar com digitalização, automação, virtualização e a globalização, se esta estiver a ocorrer fora do nosso controlo ou das forças políticas responsáveis. Apesar de a Europa ter economias bastante fortes e mercados de trabalho sólidos, os populistas estão a ser eleitos à direita e à esquerda simplesmente porque postulam uma visão enganadoramente simples do futuro: Parem a mudança no seu caminho, dizem eles! Em vez de pensarem em formas de moldar o futuro, os partidos como o AfD, o FPÖ e o SVP exigem que se regresse ao passado.

A resposta a este tipo de reacionarismo não é deixar de fazer promessas, mas sim fazer promessas melhores!

É por isso que precisamos de cenários futuros que despertem a nossa curiosidade, aumentem as nossas esperanças e nos obriguem a olhar para o futuro. As máquinas e os algoritmos inteligentes poderão libertar os seres humanos de muitos trabalhos odiosos - os cientistas falam da possível eliminação de 60-85% de todo o trabalho de rotina. Serão as tarefas aborrecidas e repetitivas que um dia delegaremos aos robots e à IA. Desde que as nossas necessidades básicas sejam satisfeitas, nós, humanos, poderemos finalmente ser livres para nos envolvermos com outras coisas (ou outras pessoas) e para realizarmos tarefas que de facto tornar o mundo um lugar melhor.

E ainda há mais para vir. Agricultura vertical e proteínas de placas de petri ('lab to fork') podem, dentro em breve, tornar a fome e a subnutrição coisas do passado, além de nos ajudarem a atingir os nossos objectivos climáticos (para não falar dos animais e do seu bem-estar). As impressoras 3D podem muito bem acabar com a necessidade de transportar algumas das coisas de que pensamos precisar por longas distâncias; em vez disso, podemos simplesmente imprimi-las a pedido (como Suportes de assento impressos em 3D da GM). E como os nossos serviços de carsharing podem estar a enviar um carro autónomo mesmo à nossa porta, menos pessoas poderão deixar de sentir a necessidade de ter um carro. Os registos de saúde baseados na nuvem e a convergência iminente da biologia e da tecnologia conduzirão a formas de medicina personalizada que serão mais simples e mais baratas de administrar, melhorando a saúde e a vida de todos.

Infelizmente, toda esta história parece demasiado boa para ser verdade, pelo menos enquanto os contadores de histórias residirem todos em Silicon Valley e, cada vez mais, em China. Aqui na Europa, também alimentados por Hollywood, preferimos esbanjar em fantasias apocalípticas. Não que os receios assim articulados sejam completamente infundados: Existe um sério risco de que os nossos dados e a nossa conetividade sejam utilizados de forma abusiva e que as tecnologias exponenciais, como a IA, possam ficar fora de controlo. Por conseguinte, devemos desconfiar de todas as narrativas demasiado optimistas sobre o futuro - em vez disso, o que precisamos desesperadamente é de uma uma boa mistura de previsão e otimismo, com uma pitada de controlo público e privado. Para tal, é necessário, naturalmente, que os políticos ambos corajoso e questionador.

Todos nós precisamos de pensar em grande, mesmo exponencialmente, em vez de linearmente como nos velhos tempos; isso se nós querem inspirar o futuro e transformá-lo numa promessa forte. O mundo vai continuar a mudar, mais depressa e mais profundamente do que nunca. O "business as usual" nos processos e na regulamentação não nos ajudará a estabelecer as mudanças necessárias e a mudar de direção. O deputado europeu dos Verdes, Jan Albrecht, pode dizer que "os dados são o novo petróleo" e exigir mais proteção. Mas se isso se traduzir em demasiada regulamentação no sentido tradicional, não se ganha muito. Por exemplo, o Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD) da UE pode ser visto, por alguns, como mais uma monstruosidade burocrática cujo único resultado, até agora, tem sido um monte de e-mails em vez de uma maior segurança e transparência dos dados. Os dados estão e podem, obviamente, continuar a escapar à jurisdição da UE. Então, porque não criar um porto seguro para os dados aqui na Europa; porque é que não se apela a uma Nuvem da UE?

Mas talvez estejamos a pedir demasiado a políticos cujas qualificações requerem, em primeiro lugar, uma licenciatura em ciências políticas ou jurisprudência, seguida de muitos anos de trabalho mal pago no gabinete de um deputado ou parlamentar, terminando (se tiverem sorte) com uma sinecura numa qualquer instituição estatal ou filiada num partido.

Nós Penso que o que precisamos de facto é de uma "Conselho de Ética Digital" (as minhas publicações sobre este assunto são aqui) para dar aos políticos e às figuras públicas orientações para uma ação orientada para o futuro. Este órgão deve ser constituído por pensadores, cientistas e investigadores de todo o espetro político, filósofos, autores, líderes de pensamento e artistas. O seu mandato deve ser o de conduzir e popularizar um debate contínuo sobre o quadro em que as tecnologias exponenciais devem existir no futuro. Deveria publicar recomendações para serem seguidas pelos Estados, governos, políticos e empresas, dando assim um impulso e uma direção a estes debates. Estas poderiam então constituir a base para acordos multinacionais e globais.

As moratórias internacionais não são novidade; para as armas químicas e nucleares de destruição maciça, existem há décadas, na sequência das horríveis experiências da humanidade com os "avanços" tecnológicos nas duas guerras mundiais. O que precisamos atualmente é de moratórias semelhantes a nível social e quadros juridicamente vinculativos sobre a IA (nomeadamente a AGI - inteligência geral artificial) e a engenharia do genoma humano. Desta vez, porém, não nos podemos dar ao luxo de esperar pelo próximo acontecimento do tipo Hiroshima. Os efeitos de mais uma queda em desgraça podem revelar-se irrevogáveis; em breve, por muito que queiramos, não poderemos voltar atrás no que respeita à inteligência artificial.

No entanto, são poucas as hipóteses de os Estados Unidos ou a China participarem em medidas voluntárias deste tipo. Afinal de contas, é nesses países que se encontram os grandes actores da indústria digital: empresas como a Google, o Facebook, o Baidu, o Alibaba e a Tencent. Estas plataformas líderes a nível mundial precisam de obter a sua licença de funcionamento ao pôr em prática medidas comprovadas e eficazes que servem para manter os nossos dados (ou seja, as "cópias digitais de nós próprios") a salvo de roubo ou utilização indevida. Como é possível que empresas globais com centenas de milhões ou mesmo milhares de milhões de utilizadores sejam controladas e policiadas com menos rigor do que os meios de comunicação social ou os bancos? Do mesmo modo, permitir que estas mesmas empresas obtenham lucros virtualmente ilimitados graças aos custos marginais, que se afundam ou desaparecem, de fazer negócios digitalmente. A tecnologia moderna precisa de uma lógica moderna de tributação.

O amanhã está a chegar, e mais depressa do que se pensa! Em alguns sítios, já está aqui - só que ainda não reparámos. Trará muita magia que todos nós poderemos experimentar e partilhar. Mas, para garantir que funciona para o melhoramento da humanidade e não o contrário, precisamos de nos envolver, para moldar o futuro da forma que queremos. Temos de estar prontos e dispostos a sonhar e, se necessário, a lutar. Estamos a caminhar hoje para o amanhã. Acorda e junta-te a nós!

Gerd Leonhard/Tim Renner

Zurique/Berlim 2 de agosto de 2018Versão alemã, PDF: RENNER & LEONHARD | Agentur für Politik und Zukunft

Ligação

Ler mais no meu livro Tecnologia vs Humanidade

 

Vídeo relacionado: tornar-se super-humano é uma boa ideia?

 

7805

Vistas


Etiquetas

boletim informativo

* indica a necessidade
último livro