Novo: Experimente o meu bot de IA novo filme

Ficheiros PDF e ÁUDIO gratuitos: todo o 3º capítulo do livro do futurista Gerd Leonhard Tecnologia vs. Humanidade "As Megatransformações" em 10 línguas

Este capítulo está agora disponível em PDF gratuito, em 9 línguas (ver abaixo)

Tem havido muita procura sobre o tema deste capítulo - o10 MEGASHIFTS que definirá os próximos 10 anos - que decidimos lançá-lo como um PDF gratuito; pode agora descarregá-lo abaixo. Tenha em atenção que o PDF é apenas para uso pessoal e que todo o conteúdo permanece sujeito a direitos de autor para todas as utilizações subsequentes. E esperamos certamente que também compre o livro:)

ATUALIZAÇÃO 29 de outubro de 2021: Agora também pode descarregar este capítulo como um ficheiro MP3 gratuito.

Se gostar, considere a possibilidade de comprar o ebook ou o audiobook através da Payhip (ENG, ES, PT e FR). ou através de Scribdou, claro, em AMAZON:). Também pode deixar um comentário na página do livro no Good Reads.

ENGLISH

Capítulo 3 - As Megatransformações ficheiro áudio gerd leonhard tecnologia vs humanidade MP3

PORTUGUÊS

Capitulo 3 - As Megamudanças MP3

ESPANHOL

Descarregar: Capítulo 3 - As mega mudanças MP3

Também pode descarregar este capítulo GRATUITO em cada língua, em SoundCloud

Capítulo 3

As Megatransformações

As mudanças tecnológicas estão a reconectar a sociedade e a transformar a paisagem.

Acredito que o choque que se avizinha entre o homem e a máquina será intensificado e exponenciado através dos efeitos combinatórios de dez grandes mudanças - Megashifts, se preferirem, nomeadamente:

  1. Digitalização
  2. Mobilização
  3. Screenificação
  4. Desintermediação
  5. Transformação
  6. Inteligência
  7. Automatização
  8. Virtualização
  9. Antecipação
  10. Robotização

Tal como uma mudança de paradigma é para o pensamento e a filosofia, também uma Megatransformação representa um enorme passo evolutivo para a sociedade, que pode parecer gradual no início ... mas que depois tem um impacto muito súbito. De seguida, exploro a natureza destas Megatransformações e, em seguida, descrevo cada uma delas e as suas potenciais implicações.

Exponencial e simultânea

Muitas das grandes inovações do mundo nasceram décadas, por vezes séculos, antes de acabarem por se espalhar pela sociedade humana. Muitas vezes ocorreram de forma relativamente sequencial, cada uma seguindo e construindo sobre as anteriores. Em contraste, as Megatransformações também podem crescer lentamente, mas muitas nasceram juntas. Atualmente, começaram a espalhar-se pela sociedade simultaneamente e a um ritmo muito mais rápido.

As Megatransformações apresentam desafios imediatos e complexos e são de natureza diferente das forças que varreram a sociedade e as empresas no passado. Uma diferença fundamental é o facto de um número relativamente reduzido de organizações e indivíduos que antecipam e encontram formas de explorar ou lidar com uma Megassafra poderem normalmente esperar encontrar oportunidades e colher os maiores benefícios. Talvez já esteja familiarizado com estes termos, mas agora quero que os imagine como forças tecnológicas distintas que se combinam para criar uma tempestade perfeita para a humanidade. Stress tecnológico? Os desafios que temos vivido até agora nem sequer serão registados na escala do stress quando comparados com o que está para vir...

Megashift 1: Digitalização

'Tecnologia vs. Humanidade' z.B. auf Deutsch von Gerd Leonhard

Tudo o que pode ser digitalizado, sê-lo-á. A primeira vaga incluiu a música, depois o cinema e a televisão, a seguir os livros e os jornais. Agora está a afetar o dinheiro, a banca, os seguros, os cuidados de saúde, os produtos farmacêuticos, os transportes, os automóveis e as cidades. Em breve, terá um impacto transformador na logística, expedição, fabrico, alimentação e energia. É importante notar que quando algo é digitalizado e transferido para a nuvem, muitas vezes torna-se gratuito ou, pelo menos, muito mais barato. Veja-se o que aconteceu com o Spotify: Na Europa, um CD individual de 12 canções custava cerca de 20 euros (US$22) - e agora é possível obter 16 milhões de canções por 8 euros (US$9) por mês, ou ouvi-las gratuitamente no YouTube.

Embora eu seja um assinante feliz e fiel do Spotify e goste muito dele, este tipo de Darwinismo Digital destruidor de margens traz uma enorme mudança nos modelos de negócio e obriga a maioria dos operadores históricos a transformarem-se ou a perecerem. No meu livro de 2005, The Future of Music (Berklee Press), discuti longamente o que me parece ser uma certeza - que as grandes editoras discográficas que controlaram a indústria musical durante décadas deixarão de existir porque a distribuição de música deixou de ser um negócio viável. De facto, Sir Paul McCartney comparou as editoras discográficas existentes aos dinossauros que se interrogam sobre o que aconteceu depois do asteroide. Embora esta seja uma imagem exacta da "chicotada psíquica" que está a ser sentida pelos dirigentes estabelecidos deste reino outrora lucrativo, não dá qualquer indicação da velocidade da extinção. Os crocodilos sobreviveram e alguns dinossauros evoluíram para galinhas - mas os Megashifts digitais prestam pouca homenagem à história e não fazem prisioneiros.

Em 2010, cunhei a expressão "as pessoas anteriormente conhecidas como consumidores"; para eles, a digitalização significa frequentemente bens mais baratos e uma disponibilidade amplamente melhorada. Para eles, a digitalização significa muitas vezes bens mais baratos e uma maior disponibilidade. Isso é geralmente positivo, mas, por outro lado, bens mais baratos também podem significar menos empregos e salários mais baixos. Veja-se a digitalização da mobilidade com a Uber e os seus rivais em todo o mundo, como a Lyft, a Gett e a Ola Cabs na Índia. Atualmente, podemos pedir uma viagem de táxi através de uma aplicação no nosso smartphone e, muitas vezes, é mais barata do que a concorrência existente. Mas será que esta economia funcionará para os taxistas a longo prazo ou estaremos a caminhar para uma "economia de biscates" darwiniana, uma situação em que todos trabalhamos numa multiplicidade de biscates freelance relativamente mal pagos em vez de empregos regulares?

Independentemente dos desafios societais, a rápida digitalização, automatização e virtualização do nosso mundo são provavelmente inevitáveis. Na prática, o ritmo pode, por vezes, ser limitado por leis fundamentais da física, como as necessidades energéticas dos supercomputadores, ainda não satisfeitas, ou a dimensão mínima viável de um chip de computador - frequentemente citada como a razão pela qual a Lei de Moore não prevalecerá para sempre. Este pressuposto de penetração contínua e generalizada da tecnologia aponta para um futuro em que o que não pode ser digitalizado e/ou automatizado (ver Sociedade Automatizada, capítulo 4) poderá tornar-se extremamente valioso. Tal como referido no capítulo 2, estes androritmos captam qualidades humanas essenciais, como as emoções, a compaixão, a ética, a felicidade e a criatividade.

Embora os algoritmos, o software e a inteligência artificial (IA) venham cada vez mais a "comer o mundo" (como gosta de dizer o capitalista de risco Marc Andreessen), temos de atribuir o mesmo valor aos androritmos - as coisas que nos tornam exclusivamente humanos...


Ligações relacionadas com os MEGASHIFTS

TECHVSHUMAN .COM

MEGASHIFT VIDEOS

 speaking topics related to the MegaShifts

TEMAS DE DISCURSO

CANAL VIMEO


61284

Vistas


Etiquetas

boletim informativo

* indica a necessidade
último livro