Novo: Experimente o meu bot de IA novo filme

As 15 afirmações "Não devemos" do meu último livro, Tecnologia vs Humanidade - e o que aconteceu desde que o publiquei

Os 15 "Shall Not's", abaixo, foram extraídos do capítulo 10 do meu livro de 2016 Technology vs. Humanity (Tecnologia vs. Humanidade) que, felizmente, está a tornar-se cada vez mais popular em todo o mundo e é agora disponível em 11 línguas. É espantoso como muitos destes 15 conceitos que apresentei há menos de 3 anos estão agora a ser debatidos todos os dias e como algumas preocupações que pareciam bastante rebuscadas em 2016 parecem agora totalmente reais. Veja as hiperligações que disponibilizo após cada citação original do livro, delineadas por 'Agora lê...."

"Para desenvolver e incorporar uma ética digital clara e globalmente consistente, eis alguns exemplos específicos de armadilhas tecnológicas que devemos evitar se quisermos que a humanidade prevaleça. Estou perfeitamente ciente de que, ao fornecer pistas de reflexão para o debate, alguns destes mandamentos sugeridos podem revelar-se demasiado simplificados, idealistas, impraticáveis, utópicos, incompletos e controversos. Por isso, apresento-os humildemente, simplesmente com o espírito de iniciar uma discussão:

  1. Não devemos exigir ou planear que os seres humanos se transformem gradualmente em tecnologia, só porque isso satisfaria a tecnologia ou as empresas tecnológicas e/ou estimularia o crescimento. Ler agora: Como o capitalismo traiu a privacidade (Tim Wu, NYT)
  2. Não permitiremos que os seres humanos sejam governados ou essencialmente dirigidos por tecnologias como a IA, a IoT e a robótica. Ler agora: O que é preciso para deixar o telemóvel de lado (New Yorker)
  3. Não alteraremos a natureza humana programando ou fabricando novas criaturas com a ajuda da tecnologia. Ler agora: A edição CRISPR está a chegar ao útero (WIRED)
  4. Não aumentaremos os seres humanos para obter poderes sobrenaturais que eliminariam a clara distinção entre homem e máquina. Agora lê: Os ambientalistas estão errados: a natureza não é sagrada e devemos substituí-lat (Zoltan Istvan)
  5. Não devemos dar às máquinas a possibilidade de se autonomizarem, contornando assim o controlo humano. Ler agora: Os sistemas de IA devem ser responsáveis, explicáveis e imparciais, diz a UE (The Verge)
  6. Não devemos procurar substituir a confiança pelo rastreio nas nossas comunicações e relações só porque a tecnologia o torna universalmente possível.  Leia agora: Desta vez, é pessoal
    Como a tecnologia digital nos afasta da nossa alma (Douglas Rushkoff via Medium)
  7. Não devemos planear, justificar ou desejar uma vigilância total devido a uma necessidade sentida de segurança total. | Ler: Um mês, 500.000 exames faciais: Como a China está a usar a I.A. para traçar o perfil de uma minoria (NYT)
  8. Não permitiremos que os robots, as máquinas, as plataformas ou outras tecnologias inteligentes assumam funções democráticas essenciais na nossa sociedade que, na realidade, deveriam ser desempenhadas pelos próprios seres humanos. Ler agora: Estamos a caminhar sonâmbulos para uma sociedade de controlo? Médio.
  9. Não procuraremos diminuir ou substituir a cultura humana da vida real por simulações algorítmicas, aumentadas ou virtuais. Ler agora: 15 meses de novo inferno no Facebook (Wired)
  10. Não devemos procurar minimizar as falhas humanas só para nos adaptarmos melhor à tecnologia. Ler agora: Alexa, Siri e Google Assistant estão a mudar a forma como interagimos com o mundo, fazendo-o por nós (TheNextWeb)
  11. Não tentaremos abolir os erros, o mistério, os acidentes e o acaso, utilizando a tecnologia para os prever ou evitar, e não nos esforçaremos por tornar tudo explícito só porque a tecnologia o pode tornar viável. Ler agora: Ligar o cérebro à Internet parece ótimo - mas será uma boa ideia (por Gerd🙂
  12. Não criaremos, desenvolveremos ou distribuiremos qualquer tecnologia com o objetivo principal de gerar dependência. Ler agora: Se o futuro está cheio de viciados em RV, devemos trazê-los de volta à realidade? (Big Think)
  13. Não exigiremos que os robots tomem decisões morais, nem os equiparemos para contestarem as nossas decisões. Ler agora: Conheça a organização sem fins lucrativos que já está a lutar pelos direitos dos robôs sencientes (TheNextWeb))
  14. Não exigiremos nem estipularemos que os seres humanos sejam também exponenciais por natureza. Ler agora: Elon Musk diz que as interfaces cérebro-computador estão para breve (Independent.uk)
  15. Não devemos confundir um algoritmo limpo com uma imagem exacta da realidade humana ("o software está a enganar o mundo") e não devemos dar um poder indevido à tecnologia porque esta gera benefícios económicos. Ler agora: TRISTAN HARRIS: A TECNOLOGIA ESTÁ A "DESVALORIZAR OS HUMANOS". É ALTURA DE RIPOSTAR (Wired)

Leonhard, Gerd. Tecnologia vs. Humanidade: The coming clash between man and machine (FutureScapes) (Locais Kindle 2484-2494). Fast Future Publishing. Edição Kindle.

3887

Vistas


Etiquetas

boletim informativo

* indica a necessidade
último livro