Novo: Experimente o meu bot de IA novo filme

IA vs Jobs: "Inventamos toda a tecnologia certa, mas utilizamo-la pela razão errada". A opinião do futurista Gerd Leonhard sobre os últimos debates entre Jobs e a IA.

Veja as duas histórias abaixo. A primeira história, de Ted Chiang e via The New Yorker, é super-relevante para a atual GenAI e a questão candente de saber se o aumento da IA irá, de facto, impulsionar a generalização da desemprego tecnológico.

Para aqueles que não lêem artigos mais longos, eis a minha principal aprendizagem com estes dois artigos: Temos mesmo de deixar de utilizar o progresso tecnológico para repetir o objetivo antiquado de aumentar a PIB Ou utilizamos as nossas grandes conquistas científicas e tecnológicas da pior forma possível, ou seja, para criar uma sociedade cada vez mais tóxica e disfuncional. Ou talvez a recente e meteórica ascensão da IA venha, de facto, turbinar a mudança para o novo paradigma baseado nos 4Ps: Pessoas Planeta Propósito e Prosperidade…?

Buckminster Fuller, um futurista que tem sido uma grande influência no meu trabalho desde há algum tempo, disse: "A humanidade está a adquirir toda a tecnologia certa por todas as razões erradas" - há cerca de 50 anos!

Aqui

"O cientista informático Stuart Russell citou a parábola do Rei Midas, que exigiu que tudo o que tocasse se transformasse em ouro, para ilustrar os perigos de uma I.A. fazer o que lhe dizemos em vez do que queremos que faça" (aka O problema do alinhamento) *do artigo da New Yorker.

Independentemente do que se pensa da McKinsey (e das empresas de consultoria em geral) e do seu alegado papel de "os executores voluntários do capital", estes são argumentos realmente válidos: É muito provável que a IA seja utilizada para gerar mais lucros para as empresas com um número de efectivos cada vez mais reduzido - enquanto os restantes seres humanos ficam sujeitos a uma enorme pressão para competir com as máquinas inteligentes (ou, de um modo geral, para se conformarem). Desumanização é uma enorme tentação neste domínio.

No entanto, o meu palpite (e a minha esperança) é que possa ser a mesma história a que assistimos em redes sociais: No início, todos argumentavam que as grandes empresas podiam poupar enormes quantias de dinheiro em marketing devido às redes sociais - mas acabaram por ser um fator de custo totalmente novo. O mesmo se aplicará provavelmente à IA: pode parecer que as empresas podem automatizar uma grande parte das actuais rotinas humanas (e, por conseguinte, de grandes quantidades de postos de trabalho), utilizando a IA (ou melhor, IA, como estou sempre a dizer) e, assim, ter menos pessoas (armadas com IA) a fazer um trabalho mais rápido e melhor - mas a realidade pode ser que estamos apenas a subir na cadeia alimentar em direção a um trabalho mais exclusivamente humano. Pelo menos... é essa a minha esperança.

Algumas estatísticas de apoio e ilustrações abaixo:

Eis algumas citações interessantes de Ted Chiang e A revista The New Yorker (utilizar esta ligação do archive.ph se tiver problemas com o acesso pago):

"Tal como a I.A. promete oferecer aos gestores um substituto barato para os trabalhadores humanos, também a McKinsey e empresas semelhantes ajudaram a normalizar a prática dos despedimentos em massa como forma de aumentar os preços das acções e a remuneração dos executivos, contribuindo para a destruição da classe média na América... Um antigo empregado da McKinsey descreveu a empresa como "os executores voluntários do capital": se quer que algo seja feito mas não quer sujar as mãos, a McKinsey fá-lo-á por si. Essa fuga à responsabilidade é um dos serviços mais valiosos que as consultoras de gestão prestam... Mesmo na sua forma rudimentar atual, a I.A. tornou-se uma forma de uma empresa fugir à responsabilidade, dizendo que está apenas a fazer o que "o algoritmo" diz, apesar de ter sido a empresa que encomendou o algoritmo em primeiro lugar.

"Se pensarmos na I.A. como um vasto conjunto de tecnologias que estão a ser comercializadas para ajudar as empresas a reduzir os seus custos, a questão que se coloca é: como evitar que essas tecnologias funcionem como "executores voluntários do capital"?

se imaginarmos a I.A. como um programa de software semi-autónomo que resolve problemas que os humanos lhe pedem para resolver, a questão que se coloca é: como evitar que esse software ajude as empresas de forma a piorar a vida das pessoas?
Este cabeçalho é um resumo muito bom dos problemas que vejo aqui

E aqui está o Via Motherboard / VICE sobre a greve dos guionistas em Hollywood, que descreve o mesmo problema: as grandes promessas de tecnologias fantásticas são transformadas num instrumento de reducionismo e de otimização dos lucros. Quando é que vamos aprender?

"Ao longo da negociação, tornou-se claro que as propostas de IA fazem realmente parte de um padrão mais alargado. Os estúdios gostariam de tratar os argumentistas como trabalhadores por conta de outrem. Querem poder contratar-nos por um dia de cada vez, um projeto de cada vez, e livrar-se de nós o mais rapidamente possível. Penso que vêem a IA como outra forma de o fazer", John August, um argumentista conhecido por ter escrito os filmes Os ângulos de Charlie Charlie e a Fábrica de Chocolate

"O WGA diz que é imperativo que o 'material de origem' também não possa ser algo gerado por uma IA. Isto é especialmente importante porque os estúdios contratam frequentemente escritores para adaptar material de origem (como um romance, um artigo ou outro IP) num novo trabalho a ser produzido como televisão ou filmes", acrescentou August. "É muito fácil imaginar uma situação em que um estúdio usa a IA para gerar ideias ou rascunhos, afirma que essas ideias são 'material de origem' e contrata um escritor para as polir por um preço mais baixo." O medo imediato da IA não é que nós, escritores, tenhamos o nosso trabalho substituído por conteúdo gerado artificialmente. É que sejamos mal pagos para reescrever esse lixo em algo que poderíamos ter feito melhor desde o início. É a isto que a WGA se opõe e que os estúdios querem", C. Robert Cargill"

25481

Vistas


Etiquetas

boletim informativo

* indica a necessidade
último livro