Novo: Experimente o meu bot de IA novo filme

O futuro do trabalho: Tradução espanhola do meu recente post convidado no Economic Times India

Esta é a tradução espanhola do meu artigo de 3 de janeiro de 2014, artigo publicado no EconomicTimes India. Muito obrigado a Fernando del Ríoeconomista e inovador social na www.hervideas.orgpor ter dado este contributo!

O futuro do trabalho. Estamos a caminho de uma nova conceção do trabalho?

O conceito de "trabalho" tem estado no coração tanto da sociedade industrial como da sociedade da informação, por meio de conceitos como "emprego", "crescimento" ou "PIB" (termo que, na verdade, está cada vez mais fora de moda, e é provável que em breve seja substituído por outro indicador do tipo "bem-estar nacional bruto"). Pero, ¿qué significará el trabajo en una sociedad del conocimiento, o mejor dicho, en una "sociedad de la experiencia"? O que acontecerá quando a maior maximização da eficiência e da produtividade se transformar no domínio das máquinas, mais do que no dos humanos? Para a maioria de nós, a ideia de trabalhar vinha da mão de quem queria ganhar a vida. Aquellos que no trabajaban en el sentido tradicional, como artistas, líderes espirituales, rentistas, ricos, o personas desvinculadas del sistema, aquellos que de una manera u otra no se adaptaban al modelo de trabajo clásico eran vistos a menudo como cargas para la sociedad, dado que sus contribuciones no eran medibles por los indicadores al uso. ¿Es la misma la forma de trabajar de un artista, de un inventor o de un escritor, que la de un ingeniero o la de un obrero de una fábrica? Diferentemente, e sem embargo, este tipo de ocupações, mais dominadas pelo hemisfério direito do cérebro, pode não estar a atrasar muito o futuro de muitos de nós.

A diferença entre "ter trabalho" ou "não ter trabalho" vai mudar muito em breve, uma vez que o "trabalho" no sentido tradicional, como um emprego, será cada vez mais difícil de conseguir num futuro próximo: a tecnologia está a automatizar rapidamente os empregos baseados principalmente em processos mecânicos. E esta é uma tendência inevitável que vai transformar a nossa sociedade de cima a baixo. Em menos de 7 anos, não serão necessários 337 trabalhadores pouco qualificados para montar um iPad na China, como acontece atualmente, mas sim 20 robôs inteligentes controlados por 20 trabalhadores.

Imaginemos um tempo (e não tão lejano) em que tecnologias ultra inteligentes e algoritmos de software, "mayordomos digitais" e assistentes pessoais baseados na nuvem (inteligência artificial) farão muito mais do que mostrar-nos o caminho mais rápido em mapas online ou aconselhar-nos sobre que restaurante evitar quando viajamos. Por outro lado, imaginemos serviços de inteligência artificial que nos ajudem a declarar o aluguer, ou que nos guiem no desporto como o faz hoje um treinador pessoal, tendo em conta as nossas necessidades, capacidades e estado de forma do momento.

No passado, muitas tarefas centradas no processamento de dados, como a contabilidade, foram levadas a cabo por pessoas auxiliadas por ordenadores que apresentavam resultados com sentido para os humanos. O mais seguro é que casos como este desapareçam na medida em que as máquinas se tornem verdadeiras e profundamente inteligentes, e as interfaces passem do teclado para a voz, para os gestos, para o pátio e finalmente para o pensamento. O momento que de verdad da miedo es cuando todo este progreso técnico nos haga sentir como que empezamos "a vivir dentro de un ordenador gigante", o peor, cuando los ordenadores vivan dentro de nosotros mismos, pero eso es otra historia, y aparte no creo que nuestro mundo se acabe conviertiendo en semejante distopía. Sea as sea, lo verdaderamente importante es que la automatización va a comerse la mayoría de nuestros trabajos, y ahí hay poco que podamos hacer, tanto como el herrero pudo hacer en cuanto a su elaboración de herraduras ante el imparable avance del ferrocarril.

Por tanto pienso que el término "trabajo" tal y como lo entendemos hoy puede volverse obsoleto en el futuro próximo, por lo que propongo crear un nuevo término: "workupation". Esta fusão de "trabajo" e "ocupación" (de "work" e "occupation", em inglês) pode ser mais ajustada para descrever o nosso futuro, porque o que for o caso de estarmos ocupados é provável que se converta no nosso novo trabalho, monetizado, isto é, pago através de uma infinidade de novas formas, muitas das quais são inconcebíveis ou totalmente invulgares até hoje. Como exemplo, observamos como o Flattr está a propor pagar a profissionais pelos seus artigos, ou como a reputação social está a ser medida em plataformas como o Klout ou o Peerindex.

Estamos a converter-nos rapidamente numa verdadeira "sociedade conectada", e nela o trabalho é uma das principais zonas disruptivas, impactada pelos avanços exponenciais no "big data", na inteligência artificial, na robótica e na automatização em geral. O crowdsourcing, o tele-trabalho e a dissolução dos limites sectoriais (pensemos, por exemplo, no impacto dos coches sem condutor da Google sobre o sector da automação) são outras tendências importantes para determinar o futuro do trabalho.

Também temos de ter em conta que a expansão global do uso de dispositivos móveis, o consumo galopante de tecnologias da informação e o empoderamento dos consumidores que implica, bem como o crescimento explosivo dos meios de comunicação social em quase todos os sectores, têm vindo a desdibujar os limites entre o privado e o profissional. Estudos recentes confirmam que muitos de nós estamos a trabalhar entre um 10% e um 20% mais do que quando não tínhamos telemóveis tão avançados e redes sociais profissionais. Muitas vezes é difícil decidir se o que estamos a fazer num determinado momento é "trabalho" ou não, ou é simplesmente "o que estamos a fazer", e na maioria das vezes apenas aquilo que nos apaixona. E esta tendência tornar-se-á mais forte no futuro à medida que deixarmos as tarefas não especializadas e mecânicas para as máquinas inteligentes, e avançarmos para nos centrarmos nas nossas capacidades verdadeiramente humanas. Isto, para mim, define a mudança do trabalho para a ocupação. Estaremos ocupados com projectos e assuntos que realmente nos importam, em vez de com aqueles que requerem capacidades meramente mecânicas, ou pior, pensamento mecânico. E, por suposto, não há que esquecer que neste tipo de tarefas mecânicas as máquinas sempre ganham em preço, velocidade e fiabilidade no 99% dos casos.

Ése sería un devenir utópico para uno de los mayores retos del siglo XXI: igualar os avanços da tecnologia e com eles lograr uma sociedade mundial em que as tarefas mais "aburridas" sejam realizadas por máquinas de um ou outro tipo, dando às pessoas a liberdade de se dedicarem ao que realmente gostam, desenvolvendo todo o seu potencial nas suas capacidades puramente "humanas". Sempre existiram ocupações, a conceção do "trabalho" foi variando ao longo da história. Os cazadores de mamuts não recebiam um salário nem cotizavam para a segurança social, mas, no entanto, "trabalhavam". No presente século, veremos implantar uma nova conceção do trabalho. O grande desafio consiste em saber como recorrer a este caminho num mundo globalizado com enormes diferenças em termos de desenvolvimento. Lograremos que a automatização se traduza de forma "automática" nesta nova conceção do trabalho, baseada em tarefas muito mais apasionantes e humanas do que os empregos mecânicos de outrora? ¿O viviremos entre medias una transición lenta y dolorosa, que significará el desempleo permanente y la exclusión social de millones de personas y con ello la potencial fratura de la sociedad? Estará a sociedade, a política e a empresa preparadas para esta grande mudança?

Descarregar o PDF: O futuro do trabalho: Tradução espanhola do meu recente post convidado no Economic Times India - Futurista, autor e orador principal Gerd Leonhard

Through the computer

Ler a versão inglesa

O conceito de "trabalho" tem estado no cerne tanto da sociedade industrial como da sociedade da informação, juntamente com "emprego" e "crescimento" e o termo que mais rapidamente se está a tornar obsoleto, o PIB (espera-se que surja aqui, em breve, uma nova métrica, do tipo "bem-estar nacional bruto"). Mas o que significará o trabalho numa sociedade do conhecimento, ou mesmo numa qualquer forma de "sociedade da experiência"? O que acontecerá quando a mera maximização da eficiência e da produtividade se tornar o principal domínio das máquinas, em vez dos seres humanos?

Descarregar a versão inglesa em PDF: Economic times india gerd leonhard future of work

4569

Vistas


Etiquetas

boletim informativo

* indica a necessidade
último livro