Novo: Experimente o meu bot de IA novo filme

Davos na mira: Capitalismo de compadrio?

Estou a ler: "Como é que o Fórum Económico Mundial pode fingir seriamente que aborda as crises globais quando é financiado pelas empresas que alimentam essas crises..." via Nova República. Pessoalmente, continuo a pensar que o FEM faz um trabalho muito interessante e útil.

"Aparentemente, Davos é menos divertido hoje em dia, agora que os participantes têm uma sensação de "permacrisis" e já não têm tanta certeza de que globalização está a ganhar. Este estado de espírito sombrio é provavelmente o melhor: Não há nenhuma razão para que estas pessoas em particular se sintam bem consigo próprias e com o seu historial de gestão dos assuntos mundiais. E se esta festa se tornar suficientemente deprimente, talvez seja cancelada no próximo ano. Apesar de toda a conversa do WEF sobre Davos ser um "neutro em termos de carbono", o facto é que as emissões dos jactos privados quadruplicado durante Davos 2022, em comparação com uma semana normal. É uma coisa em que se pode dizer que o fórum é verdadeiramente excelente: ar quente.

A lista de empresas por detrás da festa anual de Davos não é uma questão tangencial. Embora o WEF tenha certamente acolhido alguns pessoas sérias ao longo dos anos, a organização é fundamentalmente financiada pelos seus membros e parceiros empresariaiscom o objetivo de "reunir decisores de toda a sociedade para trabalharem em projectos e iniciativas que façam uma verdadeira diferença", de acordo com o declaração no sítio Web do WEF. Reunir os decisores é, obviamente, uma forma educada de dizer que os CEOs passam a semana numa estância suíça com líderes mundiais. Por isso, apesar de se auto-descreverem como um grupo capaz de resolver os problemas do mundo (o seu objetivo declarado é ter um "impacto positivo a todos os níveis da sociedade"), não é propriamente surpreendente que, ao longo dos anos, o fórum tenha dado grande destaque a soluções de mercado livre que as empresas gostam. (Como a revista conservadora britânica O Espectador observou esta semana, dar às grandes empresas acesso durante uma semana aos decisores políticos mais poderosos do mundo "é o exemplo perfeito, não do capitalismo de mercado livre, mas do capitalismo de compadrio").

RELACIONADO VIDEO

6457

Vistas


Etiquetas

boletim informativo

* indica a necessidade
último livro